Governo espanhol não autoriza mina de urânio em Salamanca

Berkeley Energia vê ações em queda livre no mercado de capitais.

Fleed

  • Foto: D.R.
auto auto

 

O Governo espanhol já terá decidido, de acordo com a agência Reuters, não autorizar a continuação dos trabalhos da Berkeley Energia na prospeção de urânio da região de Salamanca.

Este projeto que foi amplamente contestado pelas comunidades locais, incluindo as portuguesas e pelas organizações ambientalistas previa a exploração de urânio, num investimento estimado em 250 milhões de euros e com a criação de 2.500 postos de trabalho diretos e indiretos.

A companhia australiana reagiu pedindo explicações formais às autoridades espanholas. Entretanto, as ações da empresa reagiram ao cancelamento do projeto com uma quebra de 10% na sessão desta terça feira, para 0,268 euros, valor cerca de 90% abaixo dos máximos registados em agosto último.

Esta manhã, as ações da empresa estavam impedidas de transacionar, dada a quantidade de ordens de compra e venda que o sistema que gere a bolsa recebeu. Quando foi possível abrir a transação, as ações registaram uma quebra de 30%.

Também na Austrália, as ações da casa mãe da Berkeley Energia têm a negociação suspenda a pedido da própria empresa. conteudos@fleed.pt

 

O Governo espanhol já terá decidido, de acordo com a agência Reuters, não autorizar a continuação dos trabalhos da Berkeley Energia na prospeção de urânio da região de Salamanca.

Este projeto que foi amplamente contestado pelas comunidades locais, incluindo as portuguesas e pelas organizações ambientalistas previa a exploração de urânio, num investimento estimado em 250 milhões de euros e com a criação de 2.500 postos de trabalho diretos e indiretos.

A companhia australiana reagiu pedindo explicações formais às autoridades espanholas. Entretanto, as ações da empresa reagiram ao cancelamento do projeto com uma quebra de 10% na sessão desta terça feira, para 0,268 euros, valor cerca de 90% abaixo dos máximos registados em agosto último.

Esta manhã, as ações da empresa estavam impedidas de transacionar, dada a quantidade de ordens de compra e venda que o sistema que gere a bolsa recebeu. Quando foi possível abrir a transação, as ações registaram uma quebra de 30%.

Também na Austrália, as ações da casa mãe da Berkeley Energia têm a negociação suspenda a pedido da própria empresa. conteudos@fleed.pt

Mais sobre o tema